BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias gerais :

25/05/2020 - REAJUSTES SALARIAIS DESAPARECEM DE NEGOCIAÇÕES COLETIVAS APÓS CORONAVÍRUS

A redução de 25% apareceu em 549 negociações, a de 50%, em 530, e a de 70%, em 460  

Do total de 1.154 acordos e convenções coletivas negociados em março e abril, somente 3% resultaram em reajuste salarial

Os meses de março e abril, os primeiros sob o impacto no novo coronavírus, marcaram um novo momento nas negociações de acordos entre empresas e empregados.

As discussões para reajustes salariais praticamente desapareceram e deram lugar às negociações para reduzir jornada e salário, segundo o Salariômetro, levantamento feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

Do total de 1.154 acordos e convenções coletivas negociados em março e abril, somente 3% resultaram em reajuste salarial, seja ele acima da inflação em 12 meses, ou apenas com a reposição do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) calculado pelo IBGE.

O professor da USP (Universidade de São Paulo) Hélio Zylberstajn, coordenador do Salariômetro, calcula que essas negociações afetem entre 300 mil e 400 mil trabalhadores formais.

Em março, o índice médio de reajuste já estava negativo em 13,6%, , impactado pelos primeiros acordos de redução de salário e jornada. Naquele mês, 51,5% das negociações resultaram em acertos com reajuste abaixo da inflação.

Agora, somadas as negociações fechadas em abril, esses números disparam -96,8% dos acordos ficaram abaixo da inflação. Com isso, o reajuste médio no período ficou negativo em 34%

Segundo o levantamento, o setor com o maior número de acordos para redução de salário e jornada e suspensão de contrato de trabalho, até o dia 19 de abril, foi a indústria. Até março, bares, restaurantes, hotéis e o comércio em geral já tinham fechado acordos para reduzir esses pagamentos.

Para o professor Hélio Zylberstajn, no primeiro mês sob a pandemia da Covid-19, os acordos foram mais volumosos em setores que precisaram parar imediatamente, como foi o caso do comércio, do setor de alimentação e alojamentos.

"Essa parada chegou também à indústria, que primeiro usou outros dispositivos, como férias, banco de horas. Agora há também um ajuste às necessidade de consumo, à queda nas encomendas de bens. O volume de acordos concentrado em São Paulo também indica um efeito da redução na indústria", afirma.

Das 1.154 acordos e convenções coletivas negociadas em março e abril, 328 -quase 30% do total- foram em São Paulo.

Na indústria metalúrgica de todo o país foram fechados 183 negociações desde o início da crise sanitária, o equivalente a 16% do total acordado. Na sequência aparecem os setores de transporte, armazenagem e comunicações (175 acordos), comércio atacadista e varejista (143), bares, restaurantes, hotéis, diversão e turismo (137) e indústria química (69).

Essas negociações coletivas analisadas pela Fipe mostram uma predominância nos acordos por redução de salário e jornada, mas a suspensão de contrato não fica muito atrás. São 854 do primeiro tipo e 750, do segundo.

A redução de 25% apareceu em 549 negociações, a de 50%, em 530, e a de 70%, em 460.

Zylberstajn diz que em boa parte das negociações analisadas os termos finais preveem também outras condições, como o pagamento de ajuda compensatória. Esse pagamento é previsto na MP que liberou a realização de acordo individual de salário e jornada.

A vantagem, para a empresa, é que não existem encargos como INSS ou FGTS sobre esses valores, tornando-os mais baratos.

A Medida Provisória 936, de 1º de abril, facilitou a realização de acordos para cortar jornada e salário e também para suspender contratos de trabalho, e incluiu a possibilidade de, para reduções de 25%, as empresas fazerem a redução por meio de negociação individual.

Os dados coletados pelo Salariômetro da Fipe consideram os acordos e convenções coletivas registrados no Ministério do Economia. O contador de acordos do governo -que inclui negociações individuais- aponta pouco mais de 8 milhões de trabalhadores com salário reduzido. (Fonte: Folhapress)




Fonte: FOLHAPRESS / FEEB PR

 Outras Notícias

25/05/2020 - EMPRESÁRIOS BOLSONARISTAS PEDEM A CABEÇA DO PRESIDENTE DO BANCO DO BRASIL

25/05/2020 - REAJUSTES SALARIAIS DESAPARECEM DE NEGOCIAÇÕES COLETIVAS APÓS CORONAVÍRUS

22/05/2020 - SEGURO-DESEMPREGO: PEDIDOS DISPARAM E SOBEM 76% NA PRIMEIRA QUINZENA DE MAIO

22/05/2020 - A PROTEÇÃO DO EMPREGO E DA RENDA – AGORA E DEPOIS

22/05/2020 - BRASIL CAMINHA PARA MAIOR CRISE ECONÔMICA DE SUA HISTÓRIA

22/05/2020 - MAIS 170 MIL BRASILEIROS ENTRARAM PARA A POBREZA EXTREMA EM 2019

21/05/2020 - GERENTE DO BB É MORTO APÓS TER FAMÍLIA FEITA REFÉM EM ASSALTO EM GUAXUPÉ, MG

21/05/2020 - COVID-19: SANTANDER/MONGAGUÁ TEM SEIS FUNCIONÁRIOS AFASTADOS

21/05/2020 - MP 936 RETIRA DIREITOS TRABALHISTAS E NÃO POUPA NEM AS GESTANTES

21/05/2020 - LUCRO DO BTG PACTUAL CRESCE 14% E SOMA R$ 768 MILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2020 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.