BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

30/08/2007 - GANHO DO SETOR BANCÁRIO TEM ALTA COM MAIS...

crédito e tarifas.

Com o resultado da Caixa Econômica Federal, que encerrou ontem a temporada de balanços bilionários dos bancos no primeiro semestre, as 47 maiores instituições financeiras brasileiras lucraram juntas R$ 20,126 bilhões --resultado 24,8% maior do que o registrado no mesmo período de 2006, segundo a Austin Rating.

Mais uma vez, o lucro recorde dos bancos foi calcado na expansão das operações de crédito, um dos negócios mais lucrativos do mundo devido à diferença entre o custo dos recursos captados e o valor repassado ao tomador final, que vem substituindo o ganho em tesouraria que os bancos tinham no passado com os juros altos.

Outro destaque no período foi o aumento da receita com serviços, que inclui as tarifas cobradas dos correntistas e somou ao todo R$ 26,639 bilhões, um crescimento de 14,43% em relação a 2006.

"O crescimento na receita de serviços acontece seja pelo aumento de tarifas, seja pelo volume maior emprestado, que traz taxas como de abertura de crédito. [Os bancos] Também ganharam com taxas de administração elevadíssimas dos fundos", disse Luis Miguel Santacreu, analista da Austin Rating.

Para Santacreu, os juros diminuíram consideravelmente no segmento de empresas, mas seguem altos para pessoa física, com exceção das taxas do financiamento de veículos e do crédito consignado, que recuaram com maior velocidade.

Os bancos também aumentaram suas provisões para créditos duvidosos, apesar de a inadimplência seguir baixa, em torno de 5% das carteiras. Isso também se explica pelo maior volume de crédito para pessoa física, que tem inadimplência superior ao das empresas.

Para o segundo semestre, o lucro dos bancos vai depender do quanto a crise financeira, por enquanto restrita aos mercados, terá impacto na capacidade de empréstimo das instituições. O analista da Austin Rating lembra que, no início de agosto, os bancos interromperam a tendência de queda nos juros ao consumidor, o que pode segurar a expansão do crédito, que cresce a um ritmo de 20% ao ano.

O Banco Central atribuiu o movimento à crise internacional e ao aumento dos juros no mercado futuro. "Os bancos nem tiveram aumento de custo de captação e já se adiantaram com base nos juros futuros. O crédito vai crescer, mas talvez não com a velocidade projetada antes da crise."

Comentário do Sindicato: Só falta os Bancos alegarem que os lucros são pequenos...


Fonte: FOLHA ONLINE

 Outras Notícias

14/11/2018 - LUCRO LÍQUIDO DO BANRISUL SOBE 31,6% NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

14/11/2018 - GILMAR MENDES TRAVA PAGAMENTO DE AÇÕES NA JUSTIÇA DE PLANOS ECONÔMICOS

14/11/2018 - COMO O PT ‘APARELHOU’ O BANCO DO BRASIL

13/11/2018 - CENTRAIS SINDICAIS DEBATEM REFORMA DA PREVIDÊNCIA

13/11/2018 - BOLSONARO E O DESEMPREGO

13/11/2018 - CAIXA ECONÔMICA CONFIRMA QUE DECISÃO DO STF SOBRE FGTS NÃO GERA DIREITOS EM 2018

13/11/2018 - AUTÔNOMO TEM DE GANHAR O DOBRO DE TRABALHADOR CLT PARA MANTER PADRÃO

13/11/2018 - GOVERNO DE BOLSONARO VAI PROMOVER CORTE DE CARGOS EM BANCOS ESTATAIS

13/11/2018 - BANCO HSBC PLANEJA RETORNAR PARA O BRASIL

12/11/2018 - GRANDES BANCOS LUCRAM 12,7% MAIS NO 3º TRI E SINALIZAM MAIOR APETITE POR CRÉDITO

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.