BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

17/10/2007 - EX-FUNCIONÁRIO DENUNCIOU FRAUDE EM...

multinacional.

As investigações que levaram os executivos Pedro Ripper, presidente da Cisco Systems do Brasil, e Carlos Roberto Carnevali, o ex-presidente da multinacional americana de tecnologia e telecomunicações para a prisão pela Operação Persona, da Polícia Federal (PF) iniciaram há cerca de dois anos. Elas surgiram por meio de denúncia de um ex-funcionário da filial da empresa americana no Brasil.

Ontem, a PF prendeu 40 pessoas suspeitas de sonegação. Ainda está sendo apurada a participação de outras empresas suspeitas de comprar os produtos que entravam com preços subfaturados no mercado nacional. Também correrá investigação em parceria com a polícia dos Estados Unidos para chegar até os dirigentes da multinacional naquele país.
» Presidente de multinacional preso
» PF prende suspeitos de fraude
» Leia mais notícias do JB Online

"Já pedimos colaboração dos Estados Unidos para dar continuidade às nossas investigações", informou a delegada da PF Érika Tatiana Nogueira.

Segundo o coordenador de Inteligência da Receita Federal, Gerson Schaan, o esquema consistia basicamente em operações simuladas de compra e venda para blindar as duas empresas multinacionais, cujos nomes passavam ao lago dos controles americanos e brasileiros. Schaan explica que as empresas brasileiras faziam contato direto com a multinacional. O pedido era realizado junto ao escritório importador da multinacional que ficava no Brasil e empresa americana enviava as mercadorias com descontos que variavam entre 40 e 70% do valor final.

"O que impressionou foi o envolvimento de multinacional que é a beneficiária final do esquema. Ela conseguiu colocar no mercado brasileiro produtos a um preço muito inferior do que deveria ser praticado" afirmou Schaan.

Além da multinacional, o escritório importador da empresa no Brasil e as empresas compradoras agiam sabendo que tudo era fraudulento. As compras eram feitas na multinacional e repassadas para outros dois entrepostos.

Foram apreendidos em espécie US$ 290 e R$ 240 mil; US$ 10 milhões em mercadorias; um avião e 18 veículos.


Fonte: TERRA

 Outras Notícias

17/01/2019 - EM MEIO À CRISE, VENDA DE ESTATAIS DEIXARÁ GOVERNO DE MÃO ATADAS, DIZ ECONOMISTA

17/01/2019 - REAJUSTE DAS APOSENTADORIAS DO INSS VARIA DE 0% A 3,43%

17/01/2019 - JUSTIÇA DERRUBA ACORDO ANTERIOR À REFORMA QUE PROIBIA TERCEIRIZAÇÃO EM USINAS DE CANA DE SP

17/01/2019 - MILITARES INTENSIFICAM LOBBY PARA FICAR FORA DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

17/01/2019 - PROCURA-SE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA E PAGA-SE BEM: O BOOM DA ÁREA DE TI

15/01/2019 - BOLSONARO ASSINA NESTA TERÇA-FEIRA DECRETO SOBRE POSSE DE ARMAS, INFORMA CASA CIVIL

15/01/2019 - DEFASAGEM NA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA CHEGA A 95,46%

15/01/2019 - PEC 300: A NOVA AMEAÇA AOS DIREITOS TRABALHISTAS

14/01/2019 - OPERADORES DO DIREITO CONVOCAM ATO NACIONAL EM DEFESA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

14/01/2019 - VEJA PROFISSÕES QUE ESTARÃO EM ALTA EM 2019, SEGUNDO EMPRESAS DE RECRUTAMENTO

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2019 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.