BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

11/10/2018 - GRÁVIDA DEMITIDA TEM DIREITO A INDENIZAÇÃO MESMO SE PATRÃO DESCONHECER GRAVIDEZ

Ministros do STF julgaram recurso de empresa contra decisão do TST (Reynaldo Turollo Jr.)

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira (10) que empregadores devem pagar indenização a mulheres gestantes que forem demitidas mesmo quando eles desconhecerem a gravidez. A indenização é decorrente da estabilidade provisória garantida por lei desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

Os ministros julgaram o recurso de uma empresa contra uma decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho) que assegurou a uma funcionária demitida o recebimento da indenização. No caso, nem ela nem o patrão sabiam da gravidez no momento da dispensa, mas ficou comprovado posteriormente que ela já estava grávida quando foi desligada.

O relator do processo, ministro Marco Aurélio, assentou a tese de que a mulher só tem direito à indenização se o empregador tiver conhecimento da gravidez antes da dispensa. Os demais ministros que participaram do julgamento tiveram entendimento contrário e o relator foi vencido.

Alexandre de Moraes, que abriu a divergência, afirmou que a confirmação da gravidez, prevista na lei para que haja estabilidade no emprego, não se confunde com uma comunicação formal da funcionária ao seu empregador.

“Constatado que houve a gravidez antes da dispensa arbitrária, entendo que incide a estabilidade. O que importa é [se] estava ou não grávida antes da dispensa. Obviamente, se não conseguir comprovar que a gravidez era preexistente à dispensa arbitrária, não haverá a estabilidade”, disse Moraes.

Para o ministro, que foi acompanhado pela maioria, o requisito para que a empregada faça jus à indenização é unicamente biológico, pois a legislação visa proteger a vida nos seus estágios iniciais.

Acompanharam Moraes os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e o presidente da corte, Dias Toffoli. Não participaram do julgamento Rosa Weber, Cármen Lúcia e Celso de Mello.




Fonte: FOLHA.COM / FEEB PR

 Outras Notícias

07/12/2018 - IMPOSTÔMETRO BATE R$ 2,2 TRILHÕES PELA PRIMEIRA VEZ, DIZ ASSOCIAÇÃO COMERCIAL

07/12/2018 - NO BRASIL, 20% MAIS RICOS RECEBEM 40% DOS GASTOS COM PREVIDÊNCIA

07/12/2018 - REFORMA DA PREVIDÊNCIA SERÁ FATIADA

07/12/2018 - CVM ACUSA ITAÚ E DIRETORES DO BANCO DE OPERAÇÕES IRREGULARES NA BOLSA

07/12/2018 - EM DOIS ANOS, BRASIL PERDEU MAIS DE 2,3 MILHÕES DE POSTOS DE TRABALHO FORMAL

07/12/2018 - BOLSONARO DIZ QUE É PRECISO MUDAR 'O QUE FOR POSSÍVEL' NA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

07/12/2018 - BOLSONARO QUER VOTAR REFORMA DA PREVIDÊNCIA NO 1º SEMESTRE DE 2019

07/12/2018 - BANCÁRIA GESTANTE É REINTEGRADA NO ITAÚ

04/12/2018 - CORREIOS INICIAM PROJETO-PILOTO PARA EMISSÃO DE CARTEIRA DE TRABALHO

04/12/2018 - PROGRAMA DE DEMISSÃO VOLUNTÁRIA DA CAIXA SUPERA META DE ADESÃO

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.