BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

13/05/2019 - PERCEPÇÃO DE MAIS UM ANO PERDIDO SE ESPALHA ENTRE ANALISTAS DE MERCADO

Na semana passada, instituições reduziram previsões para o PIB todos os dias; Bradesco corta para 1,1% (Por Tássia Kastner)

A percepção de que o Brasil terá mais um ano perdido na economia se espalhou entre analistas de mercado, que promovem cortes sucessivos nas previsões de crescimento do PIB de 2019.

Nesta sexta (10), o Bradesco revisou a projeção para 1,1%, corte de 0,8 ponto percentual em apenas um mês.

Se confirmado o número, o PIB (Produto Interno Bruto) terá avançado ao final deste ano à mesma taxa registrada em 2018 e em 2017.

A brusca revisão de expectativas para o ano, feita pelo segundo maior banco do país, já vinha aparecendo: em abril, Santander e Itaú cortaram suas estimativas a 1,3%.

A indicação é que novos cortes continuarão a ser feitos, como reflete o mercado nas estimativas do Boletim Focus do Banco Central. Na semana passada, a previsão de PIB foi reduzida todos os dias.

Na mediana, os economistas ainda projetam avanço de 1,49% ao final de 2019.

Considerando o relatório, o crescimento do PIB será 40% menor que o previsto no começo de janeiro (2,5%), quando o mercado ainda alimentava a euforia com o recémempossado governo de Jair Bolsonaro (PSL)e sua equipe econômica dos sonhos.

Em 2018, corte da mesma magnitude só ocorreu em junho, um mês depois de a paralisação dos caminhoneiros travar a economia em um momento em que o país sofria também com a turbulência vinda do exterior, pela alta de juros nos Estados Unidos.

Já em 2015, no início do segundo mandato de Dilma Rousseff (PT), a revisão no crescimento foi feita ainda em janeiro. O mercado começou o ano prevendo alta de 0,48%, mas em 21 de janeiro passou a estimar 0,30%.

Naquele ano, a economia brasileira encolheu 3,5%.

“No ano passado, essa correção do otimismo foi ao longo dos meses. Neste ano ela foi feita em maio e nem saiu o PIB [do primeiro trimestre]”, diz Thiago Xavier, economista da Tendências Consultoria.

O PIB do primeiro trimestre será divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no fim do mês, e, baseado nos dados econômicos conhecidos, como produção industrial e vendas no varejo do período, a projeção é que ele tenha caído 0,2%.

O tombo do primeiro trimestre é especialmente frustrante porque mostra uma reversão de expectativas muito rápida. Os indicadores de confiança, que vinham em alta até janeiro, recuaram para níveis pré-eleitorais, e a avaliação do presidente foi posta em xeque rapidamente.

Há ainda o cenário da reforma da Previdência no radar, considerada essencial para o equilíbrio das contas públicas e também para ampliar o horizonte de planejamento dos empresários.

“Se a reforma da Previdência tivesse sido aprovada já em abril, ou mais cedo, logo depois da eleição, sem dúvida a gente estaria em cenário mais benigno”, afirma Luka Barbosa, economista do Itaú Unibanco.

Para ele, um dos problemas da economia atual é a taxa de juros em um patamar insuficiente para estimular a economia.

A Selic está na mínima histórica de 6,50% e, em reunião nesta semana, o Banco Central disse precisar de mais tempo para avaliar a economia ao mesmo tempo em que voltou a atrelar a queda de juros à Previdência. 

A expectativa de Itaú e Bradesco é que a taxa básica de juros termine o ano em 5,75%, com reduções a partir de setembro. 

Para Evandro Buccini, da Rio Bravo Investimentos, o problema é menos o juro básico e mais o custo do crédito, ainda caro para pequenas e médias empresas. 

“Deve ser mais um ano fraco, e, para o nível de ociosidade que o Brasil ainda tem, a gente está indo para mais um ano perdido. Qualquer crescimento abaixo de 2% é ruim”, afirma Buccini. 




Fonte: FOLHA.COM / FEEB PR

 Outras Notícias

19/07/2019 - LIBERAR O FGTS É VOO DE PATO PARA ECONOMIA, DIZ MARCELO RAMOS

19/07/2019 - CAIXA ESTARIA PRONTA PARA SAQUES DO FGTS EM UM MÊS, DIZ PRESIDENTE DO BANCO

19/07/2019 - NOVA REGRA TIRA ABONO SALARIAL DE 12,7 MILHÕES

19/07/2019 - MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO E JUÍZES CONTESTAM REFORMA TRABALHISTA DE BOLSONARO

18/07/2019 - SEGUNDA FASE DA REFORMA TRABALHISTA TRAMITA DISFARÇADA NO CONGRESSO

18/07/2019 - JUSTIÇA: BANCOS SEM MECANISMO CONTRA BOLETO FALSO PAGARÃO R$ 50 MIL POR DIA

18/07/2019 - ATAQUE ROUBA SENHAS BANCÁRIAS ADULTERANDO 180 MIL ROTEADORES DE INTERNET NO BRASIL

18/07/2019 - GUEDES VOLTA A FALAR EM NOVA CPMF, COM ALÍQUOTA MAIOR QUE A ANTERIOR

18/07/2019 - PENSÃO POR MORTE TERÁ MUDANÇAS E VALOR PODERÁ SER MENOR QUE O SALÁRIO MÍNIMO

18/07/2019 - GOVERNO ESTUDA LIBERAR FGTS; VEJA COMO SABER QUANTO DINHEIRO TEM NA CONTA

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2019 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.