BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

07/05/2007 - APOSENTADORIA DESANIMADORA

Benefício reduz por causa da defasagem do reajuste.

Ivan Ramos não gosta de olhar para o teto de sua casa em Joinville. O recrutador aposentado, de 68 anos, chamou o carpinteiro na semana passada para consertar o forro, serviço que deve custar uma boa parcela da sua aposentadoria. “Qualquer vendaval quebra telha, sarrafo, pinga dentro de casa. Como não há dinheiro, tenho de fazer devagarinho. Quando era empregado, pagava tudo à vista”, conta.

Em dez anos, Ramos viu seu benefício sofrer uma defasagem de 44% sobre os oito salários mínimos que ganhava em 1986. Ou seja, dos R$ 3.040,00 que equivaleriam hoje ao que recebia quando se aposentou há 21 anos, a Previdência deposita cerca de R$ 1.350,00 em sua conta todos os meses. “Paguei o teto de contribuição pensando que a minha vida ia melhorar. Tudo ilusão”, lamenta.

A conta de Ramos está certa? Em termos. “As aposentadorias vêm sendo corrigidas pela inflação desde 1995. É uma política diferente da do salário mínimo, que passou a receber reajustes altos para recuperar a renda da população que está na base”, afirma o economista Daniel Passos, técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-SC).

Mas o ponto de vista de Ramos faz sentido. A sensação de que “quem se aposenta, empobrece” é real e tem duas explicações. Uma é a perda de benefícios trabalhistas, como abono salarial, auxílios e vales-refeição. “É a realidade, o aposentado vai receber um benefício no máximo equivalente à sua renda, ou abaixo disso. Tem que se adaptar porque nunca mais vai ter perspectiva de aumento, apenas a correção”, afirma Passos.

É o caso do ex-bancário Elídio Sertig, de 63 anos. Aposentado há dez, apertou o cinto. Deixou no passado muitos hábitos, como trocar de carro.

Sertig contribuiu sobre dez salários para garantir uma aposentadoria alta. Nada feito, ficou com R$ 1.591,55.

Cauteloso, contribuiu por 28 anos com um plano privado para complementar a renda. É a mesma sensação que tem um grupo de eletricitários da Grande Florianópolis consultados pelo Dieese-SC. O maior medo de 23,5% deles é a queda do padrão de vida na aposentadoria.

Teto não é sinônimo de boa vida

A sucessiva queda nos reajustes das aposentadorias atinge todos que ganham mais que um salário mínimo de benefício. Ou seja, 299.612 aposentados catarinenses têm que se virar para adaptar o orçamento. O consultor de finanças pessoais Renato Follador é taxativo. “As pessoas ficam na ilusão de que a Previdência vai pagar o salário integral se contribuírem com o teto", afirma.

Para receber o teto de aposentadoria de R$ 2.894,28, é necessário contribuir por no mínimo 12 anos com 11% dessa quantia mensalmente. Mas isso não significa que a vida vai estar ganha. “Em no máximo dez anos o regime da Previdência não vai pagar um teto maior que cinco salários mínimos”, diz Follador.

Fazer um plano de previdência privada é o caminho mais eficaz e mais vantajoso.

camille.cardoso@an.com.br


Fonte: A NOTÍCIA

 Outras Notícias

11/12/2018 - BANCOS QUEREM REDUZIR LIMITE QUE CLIENTES PODEM SACAR EM DINHEIRO

11/12/2018 - NO BRASIL, MÃE RECEBE ATÉ 40% MENOS

07/12/2018 - IMPOSTÔMETRO BATE R$ 2,2 TRILHÕES PELA PRIMEIRA VEZ, DIZ ASSOCIAÇÃO COMERCIAL

07/12/2018 - NO BRASIL, 20% MAIS RICOS RECEBEM 40% DOS GASTOS COM PREVIDÊNCIA

07/12/2018 - REFORMA DA PREVIDÊNCIA SERÁ FATIADA

07/12/2018 - CVM ACUSA ITAÚ E DIRETORES DO BANCO DE OPERAÇÕES IRREGULARES NA BOLSA

07/12/2018 - EM DOIS ANOS, BRASIL PERDEU MAIS DE 2,3 MILHÕES DE POSTOS DE TRABALHO FORMAL

07/12/2018 - BOLSONARO DIZ QUE É PRECISO MUDAR 'O QUE FOR POSSÍVEL' NA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

07/12/2018 - BOLSONARO QUER VOTAR REFORMA DA PREVIDÊNCIA NO 1º SEMESTRE DE 2019

07/12/2018 - BANCÁRIA GESTANTE É REINTEGRADA NO ITAÚ

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.