BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

23/05/2007 - AÇÃO DO BC PARA CONTER QUEDA DO...

DÓLAR PIORA DÍVIDA PÚBLICA.

Os altos juros praticados no Brasil continuaram a puxar o aumento da dívida do governo federal no mês passado. No final de abril, esse endividamento havia chegado a R$ 1,286 trilhão --R$ 7,7 bilhões acima do valor apurado em março. Além disso, a atuação do Banco Central para conter a queda do dólar já começa a ser sentida nas contas do Tesouro Nacional.
O impacto dos juros reflete o elevado nível da taxa Selic, que serve de parâmetro para a rentabilidade dos títulos públicos negociados no Brasil. Hoje, essa taxa está em 12,5% ao ano.

Ao longo de abril, os gastos do governo com juros foram de R$ 11,1 bilhões, mas seu efeito na dívida foi compensado pelo resgate antecipado de alguns títulos feito pelo Tesouro.

Em março, 38,8% dos títulos públicos em circulação no país eram corrigidos pela Selic. No mês passado, essa proporção havia subido para 39,6%. Parte desse aumento reflete as operações do BC com o chamado "swap cambial reverso".

O "swap" é negociado pelo BC com o objetivo de favorecer a queda do real. Por meio desses contratos, o BC faz uma transação que equivale a uma compra de dólares no mercado futuro. Simultaneamente, é feita outra operação que corresponde a uma venda de títulos públicos corrigidos pela Selic.

Isso significa que, para conter a queda do dólar, o BC acaba elevando a parcela pós-fixada da dívida pública, justamente o que o Tesouro quer evitar --em tese, títulos pós-fixados oferecem mais risco às contas do governo pois o comportamento da Selic é imprevisível.

Em abril, o BC emitiu US$ 4 bilhões desses contratos de "swap". "É natural que tenha ocorrido essa deterioração, mas ela deve ser momentânea", diz Alex Agostini, economista-chefe da Austin Ratings.
Segundo Agostini, houve uma melhora "inegável" no perfil da dívida pública nos últimos anos. Ele cita como exemplo desse avanço a maior participação dos títulos prefixados na dívida interna do governo: essa proporção estava em 6,5% em setembro de 2002 e chegou a 36,2% no mês passado.

O economista afirma que a situação "melhorou, mas ainda não está boa". Segundo ele, o ideal seria que pelo menos dois terços da dívida do governo fosse de papéis prefixados.

Além da ação do BC, o perfil da dívida pública em abril sofreu também o impacto sazonal do vencimento de grande volume de títulos prefixados. Esse tipo de vencimento se concentra no início de cada trimestre e faz a participação dos prefixados no total da dívida cair.

Em abril, os vencimentos desses papéis somaram R$ 37,8 bilhões. Ao longo do restante do trimestre, porém, novas emissões são feitas pelo Tesouro e o peso dos prefixados pode voltar aos níveis iniciais.

Dívida externa

Os números divulgados ontem mostram ainda que o peso da dívida externa na dívida total do governo continua caindo. Em abril, compromissos assumidos com credores estrangeiros estavam em R$ 134,5 bilhões -10,5% do total. No final de 2006, o endividamento externo era de R$ 143,5 bilhões, ou 11,6% do total.


Fonte: FOLHA DE SÃO PAULO

 Outras Notícias

13/07/2018 - BANCOS NÃO ASSINAM PRÉ-ACORDO; DIA 2 DE AGOSTO TEM DISCUSSÃO SOBRE CLÁUSULAS ECONÔMICAS

13/07/2018 - NEGOCIAÇÃO COM BANCO DO BRASIL ACONTECE HOJE

13/07/2018 - PRESSÃO DO FUNCIONALISMO DERRUBA VETO DA LDO AO REAJUSTE SALARIAL

13/07/2018 - PROCON INTERDITA AGÊNCIA DO BRADESCO POR TRÊS DIAS EM LONDRINA

13/07/2018 - CLIENTE DO BB É AGREDIDO APÓS RECLAMAR DE DEMORA NO ATENDIMENTO

13/07/2018 - BANCÁRIO É REINTEGRADO AO BRADESCO EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

13/07/2018 - RESOLUÇÃO DO TST CONFIRMA QUE REFORMA TRABALHISTA SÓ ALCANÇA NOVOS PROCESSOS

13/07/2018 - SALÁRIO MÍNIMO DE R$ 998 PARA 2019 É APROVADO PELO CONGRESSO

13/07/2018 - GOLPE NAS ESTATAIS E NAS AGÊNCIAS REGULADORAS

13/07/2018 - 12 PROJETOS QUE AMEAÇAM IMPLODIR AS CONTAS PÚBLICAS DO BRASIL NOS PRÓXIMOS ANOS

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.