BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

26/05/2007 - LAMA NA BAHIA (PT)

Investigações atingem em cheio a política baiana:

além do governador Jaques Wagner (PT), que aparece em conversas grampeadas pela Operação Navalha, a Operação Octopus (polvo, em inglês) deixa em maus lençóis aliados do senador Antônio Carlos Magalhães (DEM) e do ministro Geddel Vieira Lima (PMDB).

Segredo de justiça
O que é a operação Octopus
Revelações
Rede
Na Bahia começou a investigação que originou a Operação Navalha e o volume de irregularidades descobertas no Estado é tão grande que foi aberto um novo inquérito, por ordem da ministra Eliana Calmon, do STJ, em 10 de maio. O inquérito recebeu o número 561 - BA e em seu despacho a ministra trata essa nova investigação como Operação Octopus. Somados os fatos já descobertos pelas duas operações - Navalha e Octopus -, tanto a situação quanto a oposição no Estado têm muito o que explicar. A começar pelo governador Jaques Wagner, do PT.

Ele é citado pelo dono da Gautama - a empreiteira apontada como distribuidora de propinas para a obtenção de obras superfaturadas -, Zuleido Veras, em três conversas grampeadas pela PF. Nesses diálogos, Zuleido falava sobre obras no município de Camaçari, a cidade onde o governador começou sua vida pública, como sindicalista no Pólo Petroquímico. No dia 8 de maio de 2006, Zuleido telefona para o celular do prefeito Luiz Carlos Caetano, também petista e apontado como o herdeiro político de Wagner, com o intuito de marcar uma reunião, e usa o nome do governador. Quem atende é um assessor, de nome Ilário.

Diz o relatório da PF: "Zuleido se identifica como sendo Zuleido da Gautama, diz que quer falar com (o) prefeito (....). Zuleido diz (que) quem forneceu o número 9174- 9174 foi Jaques Wagner." "Eu não passei telefone nenhum para o Zuleido. Isso foi bravata dele para chegar no prefeito", diz o governador. No dia seguinte, 9 de maio, Zuleido estava em Camaçari. Foi recebido pelo prefeito e, de acordo com a PF, nesse encontro teriam acertado as obras da Gautama no município.

LIGAÇÕES PERIGOSAS O governador Jaques Wagner é citado pelo empresário Zuleido Veras. Seu antecessor e adversário Paulo Souto (acima) era governador quando ocorreram fraudes em licitação de serviços
Logo depois do encontro, Zuleido telefonou para seu filho Rodolpho. Nessa conversa, ele mencionou o nome do governador duas vezes. Registra o relatório da PF: "Zuleido fala 'eu tinha botado ontem essa reunião com JW... então, aconteceu hoje ao meio-dia." Ele descreve ao filho o que conversou com Caetano: "Aí, eu disse... eu tenho duas coisas para falar com você, a primeira é que o (inaudível) tá do nosso lado e quer resolver ... e a segunda, aí eu conversei até com Jaques." "É certo que o JW sou eu, mas esse encontro não aconteceu", diz Wagner. Em outro telefonama, Zuleido diz ao filho que o prefeito de Camaçari teria lhe dito: "Não saio daqui sem isso ser resolvido...

Tenho um compromisso com você... você tá vendo aí o meu problema." De fato, o acerto entre Zuleido e o prefeito deu certo. O dinheiro para a Gautama saiu rápido. Em 16 de junho de 2006, a Prefeitura de Camaçari celebrou com o Ministério das Cidades o Contrato de Repasse nº 563035, no valor de R$ 9,7 milhões, dinheiro usado para pagar a empreiteira de Zuleido. A obra, para urbanização da cidade, acabou levando o prefeito para a cadeia na quintafeira 17.

Wagner admite que conhece há muito tempo o empreiteiro, e que chegou a recebê-lo no Palácio do Planalto quando era ministro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. "Recebi como recebi vários outros empresários", explica. Em novembro do ano passado, Wagner, então governador eleito, foi visitado pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Passearam numa lancha de três suítes pela Baía de Todos os Santos. A lancha é de Zuleido. Durante a semana passada, o governador disse que não sabia quem era o dono da lancha.

Queria uma emprestada para passear com Dilma e pediu ajuda ao publicitário Guilherme Sodré, ex-marido da sua atual mulher, Fátima, e atual marido da chefe do cerimonial do governo da Bahia. Na quinta-feira 24, ele disse ter se lembrado de que durante o passeio de lancha fora informado de que o barco pertencia a Zuleido. "Não me recordo muito bem desse dia, pois estávamos no barco, com sol e umas cervejinhas..."

Certamente a oposição na Bahia deve ter comemorado quando o nome de Wagner foi interceptado na boca de Zuleido. Ex-ministro e agora governador, Jaques Wagner teve ascensão meteórica no cenário político baiano e hoje vê seu nome lembrado até para a sucessão do presidente Lula. O fato é que com os primeiros resultados da Operação Octopus também a oposição precisará, assim como Wagner, encontrar explicações.

O que a PF já sabe atinge o governo de Paulo Souto, ligado ao senador Antônio Carlos Magalhães e antecessor de Wagner no governo da Bahia. Se no caso do empreiteiro Zuleido, o esquema baseava-se em fraudar grandes obras de infra-estrutura, agora o esquema, como descreve a ministra Eliana Calmon, "dedica-se à fraude em processos de licitação na área de prestação de serviços". No relatório ao qual ISTOÉ teve acesso, a PF aponta como chefe desse esquema o empresário Clemilton Andrade Rezende, 64 anos. Ele é dono de um grupo de empreiteiras acostumadas a trabalhar para governos estaduais e municipais. Além de Clemilton, há um outro empresário no topo da investigação: Marcelo de Oliveira Guimarães, ex-guarda de banco com 59 anos. Em despacho do dia 29 de novembro do ano passado, quando as investigações ainda não haviam se desmembrado, a ministra Eliana Calmon inclui Marcelo "no primeiro nível da organização", ao lado de Zuleido e de Clemilton. Marcelo, além de empresário, tem atuação política clara. Ele foi deputado estadual pelo PFL e presidiu por oito anos o Esporte Clube Bahia, o time de futebol mais popular de Salvador.

Suas empresas atuam basicamente na área de segurança privada e nem todas estão em seu nome. Ele é apontado pela PF como o verdadeiro dono de firmas como a Seviba, de segurança e vigilância, e a Organização Bahia, de serviços de limpeza e locação de mão-de-obra.

Por Rodrigo Rangel e Hugo Marques


Fonte: ISTO É

 Outras Notícias

18/01/2018 - PLANALTO DESMONTA ESTRUTURA QUE SERIA USADA EM POSSE DE CRISTIANE BRASIL

18/01/2018 - COM FILHA FORA DA LEI E DO GOVERNO, JEFFERSON PEDE O FIM DE JUSTIÇA DO TRABALHO

18/01/2018 - AUDITORIA ENCONTRA E-MAIL DE TEMER PEDINDO CARGO NA CAIXA

17/01/2018 - REVISÃO DE SÚMULA PELO TST DEIXA ANAMATRA EM ALERTA

17/01/2018 - PF ABRE NOVOS INQUÉRITOS CONTRA TRÊS EX-MINÍSTROS

16/01/2018 - CRIMINOSOS ROUBAM BANCO E DEIXAM FUNCIONÁRIO COM SUPOSTO EXPLOSIVO PRESO AO CORPO

16/01/2018 - SANTANDER LIDERA RANKING DE RECLAMAÇÕES DO BC NO 4° TRIMESTRE DE 2017

16/01/2018 - AGU TEM MAIS DOIS RECURSOS NEGADOS SOBRE POSSE DE CRISTIANE BRASIL COMO MINISTRA

15/01/2018 - SUÍÇA CONDENA BANQUEIRO POR NÃO ALERTAR AUTORIDADES SOBRE CONTA DE CERVERÓ

15/01/2018 - VICE DA CAIXA É SUSPEITA DE NEGOCIAR VERBA POR CARGO

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.