BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

30/05/2007 - BRADESCO É CONDENADO A INDENIZAR CLIENTE EM...

R$ 18 mil por cheque fraudado.

O banco Bradesco foi condenado a pagar R$ 18 mil de indenização por danos morais a um correntista empresarial que teve um cheque fraudado. A decisão foi dada nesta segunda-feira (28) pela juíza Ester Belém Nunes Dias, da 1ª vara cível da comarca de Várzea Grande (MT). Ainda cabe recurso da decisão.

Por conta da devolução do cheque, sem provisão de fundos, o cliente acabou tendo o nome incluído nos cadastros de proteção ao crédito. De acordo com a sentença, a instituição também deve declarar nulo o cheque emitido pelo fraudador, no valor de R$ 1.950.

Ao buscar informações e obter microfilmagem do cheque, o cliente confirmou que não havia emitido o cheque pois a folha original ainda estava em seu poder, em branco, e a assinatura não conferia.

De acordo com a decisão da juíza, "(...) o simples apontamento em órgãos restritivos de crédito mostra-se completamente indevido e é suficiente para demonstrar o dano".

Ainda segundo a decisão, em virtude do grande número de cheques emitidos, é de praxe que os bancos estabeleçam a compensação eletrônica. A instituição financeira sacada não recebe o título original para compensação, mas apenas informa ao banco onde ocorreu o depósito e se há ou não numerário para pagamento.

Apesar de facilitar os atos de compensação, segundo a juíza, isso não permite a cabal conferência dos títulos, possibilitando a configuração de fraudes.

"Consequentemente, entendo que o banco, ao dar maior agilidade ao serviço, assume o risco de eventuais falhas na compensação. Logo, entendo aplicar-se a teoria objetiva da culpa, inclusive por tratar-se de relação de consumo", afirmou a juíza.

O Bradesco, indica a decisão, precisa comunicar o Serasa e o Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF) para que efetuem o cancelamento definitivo das restrições feitas no nome do autor com relação a esse título. Além disso, deve pagar custas processuais e honorários advocatícios, fixados em R$ 3,5 mil.


Fonte: FOLHA ONLINE

 Outras Notícias

14/11/2018 - LUCRO LÍQUIDO DO BANRISUL SOBE 31,6% NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

14/11/2018 - GILMAR MENDES TRAVA PAGAMENTO DE AÇÕES NA JUSTIÇA DE PLANOS ECONÔMICOS

14/11/2018 - COMO O PT ‘APARELHOU’ O BANCO DO BRASIL

13/11/2018 - CENTRAIS SINDICAIS DEBATEM REFORMA DA PREVIDÊNCIA

13/11/2018 - BOLSONARO E O DESEMPREGO

13/11/2018 - CAIXA ECONÔMICA CONFIRMA QUE DECISÃO DO STF SOBRE FGTS NÃO GERA DIREITOS EM 2018

13/11/2018 - AUTÔNOMO TEM DE GANHAR O DOBRO DE TRABALHADOR CLT PARA MANTER PADRÃO

13/11/2018 - GOVERNO DE BOLSONARO VAI PROMOVER CORTE DE CARGOS EM BANCOS ESTATAIS

13/11/2018 - BANCO HSBC PLANEJA RETORNAR PARA O BRASIL

12/11/2018 - GRANDES BANCOS LUCRAM 12,7% MAIS NO 3º TRI E SINALIZAM MAIOR APETITE POR CRÉDITO

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.