BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

05/06/2007 - QUASE 100 MIL SERVIDORES FEDERAIS ESTÃO EM...

GREVE.

Funcionários que dão suporte de informática ao SUS foram últimos a cruzar os braços; grupo do Banco Central completa hoje 34 dias parado.

Roldão Arruda

Uma nova categoria aderiu ontem à greve dos servidores públicos federais que vem se alastrando pelo País. Dessa vez foram os funcionários do Datasus - instituição que dá suporte de informática ao Sistema Único de Saúde (SUS). No conjunto já são quase 100 mil servidores parados, de acordo com informações dos comandos de greve - quase todos reivindicando salários mais altos. Isso corresponde a 8,9% do total de 1,1 milhão de servidores na ativa.

O grupo paralisado há mais tempo é o dos funcionários do Banco Central - cuja greve completa hoje 34 dias. Também cruzou os braços a maioria dos servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Ministério da Cultura, Comissão Nacional de Energia Nuclear e do setor administrativo das universidades federais.

Este último grupo é o mais numeroso. De quase 105 mil funcionários na ativa, cerca de 84 mil estão parados. "A greve já chegou a 38 universidades federais", diz Léia de Souza Oliveira, coordenadora da Federação dos Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras (Fasubra).

Além de pedir piso salarial mais alto e recursos para o plano de saúde complementar da categoria, estes funcionários exigem que os ministérios do Planejamento e da Saúde abandonem os estudos para transformar os hospitais universitários em fundações. "Se isso acontecer, eles deixarão de ter compromissos com a formação dos alunos e a produção de conhecimento", diz Léia.

A Fasubra não é a única entidade a incluir questões de amplo alcance na lista de reivindicações. Os funcionários do Incra cobram o fortalecimento da instituição, para que possa acelerar a execução do programa federal de reforma agrária.

No Ibama, querem a derrubada da MP 366, com a qual o governo fracionou a instituição em duas partes. "Foi uma decisão absurda: aumenta a burocracia e os gastos públicos", diz Jonas Correa, da associação de funcionários do instituto.

Na maior parte dos casos, os grevistas não paralisaram completamente as repartições. "O Banco Central está funcionando precariamente, em regime de contingência", explica Edson Cardone, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Distrito Federal.

Com exceção do Banco Central, cuja greve pode acabar nesta semana, depois que grevistas e governo chegarem a um acordo sobre os dias parados, não há perspectivas de solução a curto prazo para as paralisações. O Ministério do Planejamento negocia com cada movimento grevista, mas já avisou: não há possibilidade de aumento neste ano.

Segundo a assessoria de comunicação do ministério, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva já corrigiu as principais distorções salariais que teria herdado de governos anteriores. Os grevistas rebatem. Dizem que, embora tenha feito acordos em anos anteriores, prometendo executá-los neste ano, o governo recuou.

As greves teriam ganho força nos últimos dias, por causa do acordo que o governo fez com servidores da Polícia Federal. "Se atendeu aquele setor, terá que atender os outros", diz Cardoni.

Outro alvo de reclamação dos grevistas, presente em quase todas as listas de reivindicações, é o Projeto de Lei Complementar 01/2007 - que limita a despesa com pessoal e encargos sociais no serviço público, incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) enviado ao Congresso. Neste caso também existe um impasse: segundo o Planejamento, o governo não tem intenção de mudar o projeto.

COLABOROU MARTA CURY MAIA

Publicado em: 05/06/2007
Fonte: O Estado de São Paulo
Cidade: São Paulo - SP - País: Brasil



Fonte: CLIPING SINDICAL

 Outras Notícias

14/11/2018 - LUCRO LÍQUIDO DO BANRISUL SOBE 31,6% NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

14/11/2018 - GILMAR MENDES TRAVA PAGAMENTO DE AÇÕES NA JUSTIÇA DE PLANOS ECONÔMICOS

14/11/2018 - COMO O PT ‘APARELHOU’ O BANCO DO BRASIL

13/11/2018 - CENTRAIS SINDICAIS DEBATEM REFORMA DA PREVIDÊNCIA

13/11/2018 - BOLSONARO E O DESEMPREGO

13/11/2018 - CAIXA ECONÔMICA CONFIRMA QUE DECISÃO DO STF SOBRE FGTS NÃO GERA DIREITOS EM 2018

13/11/2018 - AUTÔNOMO TEM DE GANHAR O DOBRO DE TRABALHADOR CLT PARA MANTER PADRÃO

13/11/2018 - GOVERNO DE BOLSONARO VAI PROMOVER CORTE DE CARGOS EM BANCOS ESTATAIS

13/11/2018 - BANCO HSBC PLANEJA RETORNAR PARA O BRASIL

12/11/2018 - GRANDES BANCOS LUCRAM 12,7% MAIS NO 3º TRI E SINALIZAM MAIOR APETITE POR CRÉDITO

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.