BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

03/07/2007 - MULHER LEVA US$ 2 MILHÕES DO WAL-MART POR...

por discriminação.

A farmacêutica norte-americana Cynthia Haddad ganhará indenização de US$ 2 milhões do Wal-Mart, empresa em que trabalhava, por discriminação de gênero e difamação. Ela afirma ter sido demitida depois de exigir o salário de um homem que exercia a mesma função, segundo a revista Business Week.


Veja também

» Supermercado paga R$ 10 milhões por propaganda enganosa.

» Banco paga R$ 85 mil por doença de 'caixa campeã'

» Garçonete ridicularizada em café leva R$ 65 mil após demissão.

O veredicto ocorreu em 19 de junho, dia repleto de expectativa por parte de Cynthia e seu marido, Bill. "Aquele era o primeiro dia do resto de nossas vidas não importava qual fosse o veredicto", diz a mulher de 45 anos, mãe de quatro filhos. "Minha história foi contada e eu lutei. Minha vida vai continuar depois disso".

O tribunal considerou a rede de supermercados culpada. "Eles me vingaram. Aquilo colocou vida dentro de mim de novo. Alguém ouviu", afirmou.

A disputa era em torno do porquê Haddad tinha sido demitida do Wal-Mart, depois de trabalhar mais de 10 anos na empresa como farmacêutica. Haddad afirmou ter sido demitida na loja de Pittsfield como uma retaliação às reclamações dela sobre o fato de ganhar menos que os homens que trabalhavam na mesma função. Ela também reclamou por ter sido acusada injustamente do desaparecimento de remédios da farmácia da rede.

O Wal-Mart alegou que a mulher havia sido demitida por violar as políticas da companhia e por não ser capaz de promover a segurança da farmácia. A empresa alegou ainda que Haddad não era paga como os homens de seu setor porque não era gerente.

A rede poderá apelar do veredicto. O porta-voz do Wal-Mart, John Simley, afirmou que a empresa manterá sua posição. "Os fatos no caso indicam que a demissão de Haddad não tem nada a ver com o gênero dela", disse, segundo a revista Business Week.


Fonte: TERRA

 Outras Notícias

16/11/2018 - DESEMPREGO CAI PARA 11,9%, MAS AINDA ATINGE 12,5 MILHÕES DE BRASILEIROS

16/11/2018 - DESEMPREGO É MAIOR ENTRE NORDESTINOS, MULHERES E NEGROS, DIVULGA IBGE

14/11/2018 - LUCRO LÍQUIDO DO BANRISUL SOBE 31,6% NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

14/11/2018 - GILMAR MENDES TRAVA PAGAMENTO DE AÇÕES NA JUSTIÇA DE PLANOS ECONÔMICOS

14/11/2018 - COMO O PT ‘APARELHOU’ O BANCO DO BRASIL

13/11/2018 - CENTRAIS SINDICAIS DEBATEM REFORMA DA PREVIDÊNCIA

13/11/2018 - BOLSONARO E O DESEMPREGO

13/11/2018 - CAIXA ECONÔMICA CONFIRMA QUE DECISÃO DO STF SOBRE FGTS NÃO GERA DIREITOS EM 2018

13/11/2018 - AUTÔNOMO TEM DE GANHAR O DOBRO DE TRABALHADOR CLT PARA MANTER PADRÃO

13/11/2018 - GOVERNO DE BOLSONARO VAI PROMOVER CORTE DE CARGOS EM BANCOS ESTATAIS

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.