BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

02/08/2007 - HSBC CONDENADO POR ASSÉDIO MORAL

01/08/2007. (Recife).

O HSBC mostra, com o tratamento dado ao bancário Fernando Soares, de Pernambuco, a receita que usa para roubar de seus trabalhadores a sanidade física e psíquica. Primeiro: deixemo-los trabalhar até adoecer.

Segundo: isolemos dos demais os funcionários adoecidos. Rebaixemos sua auto-estima até quase nada. E façamo-los enlouquecer aos poucos até se virem forçados a pedir demissão. Esta a história vivida por Fernando. O tratamento indigno foi reconhecido pela Justiça, que obrigou o banco a pagar uma indenização de 100 vezes o salário do trabalhador. A sentença foi expedida no dia 25 de julho, pela juíza Solange Moura, da 18ª vara do Trabalho.

Fernando tem 25 anos de banco e já tinha a doença ocupacional como parte de sua vida. Mas quando foi obrigado a se licenciar pela primeira vez, decidiu cobrar do banco suas horas extras não pagas, e os danos morais pelo adoecimento. Em junho de 2005, mudou a gerência, que passou para Sérgio Barbosa. E começou o calvário do trabalhador.

De volta de mais um período de licença, o bancário foi isolado em uma sala. Com ele, trabalhavam mais dois: outro lesionado, e um funcionário de outro departamento. Só este último tinha a senha do computador. Era dele também o birô que os demais tinham que desocupar sempre que o 'dono' chegasse. 'Me encostaram naquela sala como um estorvo. Me deixaram sem qualquer função. Eu pedia serviço, ninguém me respondia. Por orientação do Sindicato, enviei uma carta para o setor de Recursos Humanos, para o diretor de Relações Trabalhistas. Não houve resposta. Eu não podia sair da sala que o gerente ia atrás de mim, para garantir que eu não falasse com ninguém', conta Fernando.

Isolado, o bancário deixou de ser convidado para as festividades de final de ano. Também era escanteado nas reuniões e no contato com os demais colegas. 'A indenização decorre do processo repetitivo e desencadeador da total alienação do empregado no mundo social que o cerca, sentindo-se inútil, ocasionando uma lesão a sua personalidade (...) cuja reparação se faz mediante ajuda psicológica e/ou psiquiátrica', diz a sentença.

Insatisfeitos com o tratamento dado ao bancário, os gestores decidiram dar mais um golpe em sua auto-estima. Na avaliação de desempenho profissional, deram a ele nota 4, em uma escala na qual o mais baixo grau é 5. 'Eu questionei: eles estavam me avaliando em quê, se durante todo esse tempo não me deram qualquer trabalho nem meta para cumprir?'.

Explique-se: o chamado CDP - Componente de Desempenho Profissional do HSBC é um programa de avaliação baseado em metas. Quem recebe de 1 a 3 pontos, ganha de 2 a 4 salários. Quem fica na escala entre 4 e 5, não recebe nada e fica passível de demissão.

Junto com o Sindicato, Fernando denunciou o procedimento incorreto para sua avaliação ao Recursos Humanos nacional do banco. Esperou a resposta durante muito tempo. E, finalmente ela veio, da boca do gerente regional, Leandro Peón: 'se dependesse dele, a nota 4 seria mantida, mas como houve erros operacionais e técnicos na condução do processo, ele modificou para 3', conta o bancário.

Os sintomas da depressão começaram a se manifestar justamente em seu ambiente familiar, junto às pessoas que ele mais amava. 'Eu agredia minha mulher, minhas filhas... depois caía em mim, e chorava. Só de falar nisso, tenho vontade de chorar', lembra Fernando. Felizmente, a família deu apoio, e o estimularam a procurar ajuda médica. 'Eles me conheciam, sabiam que eu não era assim...'. No laudo da psicóloga e da psiquiatra, enviado ao banco, a recomendação: ele deveria ser transferido daquele ambiente insalubre. Ou, ao menos, passar algumas horas afastado da sala. Nenhuma providência foi tomada. Fernando continuou no mesmo lugar.

A transferência, de volta para a compensação, só veio muito tempo depois, quando o banco já havia recebido a notificação judicial. Os objetivos do banco eram claros: tentar descaracterizar a perseguição frente a Justiça. A própria sentença reconhece. A ação foi movida pelo escritório de Pedro Paulo Porpino, que presta serviço ao Sindicato. A audiência de instrução deu a dimensão da gravidade do caso: foram seis horas de duração. 'E ainda tinham outras duas testemunhas para serem ouvidas, mas a juíza se deu por satisfeita', conta Fernando.


Fonte: SEEB-PE

 Outras Notícias

16/11/2018 - DESEMPREGO CAI PARA 11,9%, MAS AINDA ATINGE 12,5 MILHÕES DE BRASILEIROS

16/11/2018 - DESEMPREGO É MAIOR ENTRE NORDESTINOS, MULHERES E NEGROS, DIVULGA IBGE

14/11/2018 - LUCRO LÍQUIDO DO BANRISUL SOBE 31,6% NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2018

14/11/2018 - GILMAR MENDES TRAVA PAGAMENTO DE AÇÕES NA JUSTIÇA DE PLANOS ECONÔMICOS

14/11/2018 - COMO O PT ‘APARELHOU’ O BANCO DO BRASIL

13/11/2018 - CENTRAIS SINDICAIS DEBATEM REFORMA DA PREVIDÊNCIA

13/11/2018 - BOLSONARO E O DESEMPREGO

13/11/2018 - CAIXA ECONÔMICA CONFIRMA QUE DECISÃO DO STF SOBRE FGTS NÃO GERA DIREITOS EM 2018

13/11/2018 - AUTÔNOMO TEM DE GANHAR O DOBRO DE TRABALHADOR CLT PARA MANTER PADRÃO

13/11/2018 - GOVERNO DE BOLSONARO VAI PROMOVER CORTE DE CARGOS EM BANCOS ESTATAIS

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.