BRASIL: "ÚNICO PA͍S NO MUNDO ONDE O POVO QUE É ROUBADO
É O MESMO QUE DÁ PODER AO LADRÃO"
Ações Jurídicas
Artigos
Base Territorial
Convenções e Acordos Coletivos
Convênios
Denúncia contra Bancos
Diretoria
Esportes
Eventos
Fale conosco
Índices de Reajustes Salariais
Links
Localização / sede
Matérias
Notícias
Noticias jurídicas
Notícias RSS
Saúde
Segurança Bancária
Sindicalize-se
Untitled Document
NOTÍCIAS
Gerais
Jurídicas
RSS
Saúde
Segurança Bancária
 Notícias Gerais

Confira as últimas notícias Gerais :

13/06/2018 - COM POUCO DINHEIRO, QUEM GANHA BOLSA FAMÍLIA DÁ O DOBRO DE CALOTE, DIZ BC

Ganhando pouco dinheiro, beneficiários do Bolsa Família enfrentam dificuldades para pagar as suas contas e possuem, em média, o dobro das dívidas atrasadas em relação à média de outras pessoas de baixa renda. (Cristiane Bonfanti)

Dados do Banco Central mostram que a taxa de inadimplência entre beneficiários do programa foi de 6,1% em 2017. Para os demais integrantes do Cadastro Único para Programas Sociais, esse percentual foi de 3% no ano passado. Na média de todos os incluídos no cadastro único, essa taxa foi de 3,8% em 2017. O cadastro reúne pessoas de baixa renda (até três salários mínimos somando toda a família)

Os dados constam do Relatório de Economia Bancária divulgado nesta terça-feira (12) pelo Banco Central. Segundo a autoridade monetária, são considerados inadimplentes os clientes que possuem alguma parcela em atraso por mais de 90 dias.

Baixo nível de renda impacta taxa de inadimplência O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Viana, disse que a taxa de inadimplência entre beneficiários do Bolsa Família resulta de um novo cruzamento de dados e que esse ainda é "um primeiro olhar sobre essa questão".

"É um fenômeno importante para entender o tema da educação financeira e do acesso ao crédito", disse.

Ele afirmou que, provavelmente, o fenômeno está associado ao nível de renda da população que integra o Bolsa Família. Geralmente, mesmo dentro do Cadastro Único, que traz um registro das pessoas de baixa renda, os beneficiários do programa possuem uma renda menor e, justamente por isso, recebem a bolsa.

O Bolsa Família atende famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza, caracterizadas pela renda familiar mensal per capita de até R$ 85 e R$ 170. No início do mês, o governo anunciou um reajuste de 5,67% na bolsa.

Crédito para a população de baixa renda é mais caro 
Na avaliação da economista Marianne Hanson, da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o nível elevado de inadimplência entre os beneficiários do Bolsa Família pode estar relacionado à renda e ao emprego dessa população.

"Na nossa pesquisa de endividamento, geralmente, as pessoas com renda mais baixa enfrentam mais dificuldades para pagar as contas em dia", disse. "Quanto menor a renda, maior a dificuldade para absorver um choque, que pode ser a alta no preço do botijão de gás", afirmou.

Marianne disse ainda que outro problema enfrentado pelos beneficiários do programa é o acesso ao crédito mais caro, o que também contribui para que eles se tornem inadimplentes.

"As famílias com menor renda têm acesso ao crédito mais caro, de curto prazo, como o cheque especial e o rotativo, e vão ter mais dificuldades para renegociar esses contratos", disse.

Devedores entram num círculo vicioso 
Os consumidores que entram na lista da inadimplência podem enfrentar outras consequências negativas. Marianne afirmou que, depois de entrar nessa lista, elas podem ficar com o "nome sujo", isto é, com o nome em cadastros "negativos" de crédito.

"Ao entrar em um cadastro negativo, o inadimplente tem acesso negado a novos empréstimos e financiamentos", disse.

10% dos beneficiários do Bolsa Família têm empréstimos 
De acordo com o relatório, 2.284 ou 10,2% dos beneficiários do Bolsa Família que possuem acesso ao crédito tinham empréstimos feitos no fechamento de 2017. O fato de haver empréstimos não significa que estejam atrasados, são apenas contas a pagar.

O levantamento mostra que esse percentual vem caindo desde 2013, quando estava em 15,9%. Os dados consideram as pessoas que fizeram empréstimos superiores a R$ 1.000.

Veja o percentual de beneficiários do programa que tinham empréstimos em cada ano:

2012: 15,6%
2013: 15,9%
2014: 15,1%
2015: 13,2%
2016: 11,2%
2017: 10,2%

Para a economista Marianne Hanson, essa redução no percentual de famílias do Bolsa Família com empréstimos reflete a recessão econômica vivida no Brasil.

"As famílias tiveram mais dificuldades para contratar empréstimos durante a crise. As instituições financeiras ficaram mais restritivas ao selecionar para quem vão conceder crédito", afirmou.




Fonte: UOL / FEEB PR

 Outras Notícias

11/12/2018 - BANCOS QUEREM REDUZIR LIMITE QUE CLIENTES PODEM SACAR EM DINHEIRO

11/12/2018 - NO BRASIL, MÃE RECEBE ATÉ 40% MENOS

07/12/2018 - IMPOSTÔMETRO BATE R$ 2,2 TRILHÕES PELA PRIMEIRA VEZ, DIZ ASSOCIAÇÃO COMERCIAL

07/12/2018 - NO BRASIL, 20% MAIS RICOS RECEBEM 40% DOS GASTOS COM PREVIDÊNCIA

07/12/2018 - REFORMA DA PREVIDÊNCIA SERÁ FATIADA

07/12/2018 - CVM ACUSA ITAÚ E DIRETORES DO BANCO DE OPERAÇÕES IRREGULARES NA BOLSA

07/12/2018 - EM DOIS ANOS, BRASIL PERDEU MAIS DE 2,3 MILHÕES DE POSTOS DE TRABALHO FORMAL

07/12/2018 - BOLSONARO DIZ QUE É PRECISO MUDAR 'O QUE FOR POSSÍVEL' NA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

07/12/2018 - BOLSONARO QUER VOTAR REFORMA DA PREVIDÊNCIA NO 1º SEMESTRE DE 2019

07/12/2018 - BANCÁRIA GESTANTE É REINTEGRADA NO ITAÚ

  Sindicalize-se
+ Detalhes  
  Eventos
FESTA DOS BANCÁRIOS...
+ Detalhes
Itajaí - SC | Rua José Ferreira da Silva, 48 - Cx. Postal 118 - Centro | Telefone: (47) 3348-6374 |||  By Vale da Web
Copyright © 2018 SEEBI. Todos os Direitos Reservados.